[ editar artigo]

Querem acabar com nosso mercado

Querem acabar com nosso mercado

Há mais de 10 anos eu acompanho e atuo no mercado da beleza. As relações entre profissionais e empresas sempre foram conturbadas, uma vez que o profissional que atua em um salão de beleza, barbearia, esmalteria ou clínica de estética não atua como um funcionário que é regido pelo CLT.

As primeiras contratações na área foram inspiradas pelas relações da agricultura, onde temos o meieiro. Um agricultor que tem terra e não consegue trabalhar com ela toda, contrata outro agricultor para trabalhar em sua terra. De tudo que esse agricultor parceiro produzir, 50% é do dono da terra e 50% é do agricultor parceiro. Ou seja, metade para cada um.

E assim também acontece nas empresas da área da beleza, os profissionais recebem um percentual de tudo que produzem. Assim, não se enquadram nos requisitos de funcionário como determina a CLT.

Durante muitos anos, os profissionais que trabalhavam em salões de beleza eram “clandestinos” porque não tinha a famosa “carteira assinada” e trabalhavam sem nenhum contrato, sem nenhum benefício e principalmente, sem nenhuma segurança!!!!

Depois de mais de 10 anos de lutas, em 2016 o setor teve uma vitória! A promulgação da Lei no. 13.352/2016, intitulada como Lei do Salão Parceiro. Nela, o salão e o profissional parceiros, assinam um contrato como duas pessoas jurídicas e esse contrato prevê todos os direitos e deveres dos dois lados.

O profissional começou a ser visto como uma pessoa jurídica! O profissional começou a ser visto como um produtor de renda! O profissional começou a ser reconhecido e respeitado!

Muitos que trabalhavam na informalidade não conseguiam comprovar a procedência de seus ganhos, impedindo de adquirir bens de maiores valores. Agora com a Lei, isso já é possível.

Muitos outros benefícios foram conquistados e principalmente, foi estampada claramente uma imagem de profissionalismo e seriedade no setor que há muito tempo lutava por isso!

E agora, na calada da noite, no meio de uma pandemia mundial, querem acabar com tudo isso!

Exatamente, uma instituição da área hoteleira – que não tem nenhuma ligação com o mercado da beleza – fez uma petição para que seja decretada a inconstitucionalidade da Lei do Salão Parceiro.

O ministro Edson Fachin, como relator já votou a favor da inconstitucionalidade. Faltam agora os outros ministros votarem. Como estamos em quarentena, todo o processo é digital, impedindo a manifestação e contra-argumentação.

Não podemos deixar que isso aconteça! Não podemos permitir que pessoas inescrupulosas tirem os direitos conquistados com tanta luta!

A votação deve acontecer até a próxima quarta feira, dia 10/06. Um abaixo assinado está sendo preparado para impedir que isso aconteça. Me siga nas redes sociais que assim que estiver online, estarei disponibilizando o link!

Mas, não fique quieto. Profissional da área da beleza que sente a importância dessa Lei e dos benefícios que ela trouxe, se manifeste em suas redes sociais, não se cale! Se precisar de mais informações, me chame!!!!!

Serviços de Beleza

Comunidade Sebrae
Giovana Quini
Giovana Quini Seguir

Com 25 anos de experiência em gestão empresarial, me especializei nos últimos 10 anos na área da beleza. Atuo como mentora, cuidando de empresas na área de beleza e coach, auxiliando profissionais a se desenvolverem pessoalmente e profissionalmente.

Ler conteúdo completo
Indicados para você