[ editar artigo]

O jeito é se tornar consciente do inconsciente

O jeito é se tornar consciente do inconsciente

No dia 14 de setembro, eu (Cristian), junto a meu sócio no Addwisers (Marcus) e vários outros “startupers” de ótima qualidade tivemos o prazer de participar de mais uma reflexão sobre liderança, desta vez sob a orientação da “divertidamente” Paula Tissot. Mais especificamente focamos no tema Neuroliderança para Startups por conta do programa Operação 19 do Sebrae-PR, onde a Paula (uma grande fã da Pixar) nos guiou de forma didática (quase lúdica), por um tema complexo que é a neurociência aplicada a gestão de pessoas. Ela nos mostrou que 95% de nossas 35 mil decisões diárias são realizadas de forma inconsciente e, portanto, precisamos estar com nossas mentes cada vez mais treinadas para tomar decisões assertivas de forma intuitiva. Vejamos como!

Esse tema já me fascina há anos, desde antes do Addwisers quando assumi meu primeiro papel formal de liderança no mercado corporativo (talvez antes disso), e ainda lembro bem como fui “assombrado” pelas inseguranças inerentes ao início dessa jornada, que no fim das contas é ser responsável por uma parte da vida de pessoas e suas famílias. Perguntas como: liderança a gente tem ou isso se aprende? Devo ser mais flexível ou mais duro? Por que os meus antigos colegas agora mantêm uma certa distância?

Fato é que as habilidades que nos tornam ótimos profissionais (normalmente as técnicas), e que nos levaram até uma posição de liderança não são nenhuma das habilidades que nos fazem ser bons líderes. Estou falando de competências mais intuitivas como: empatia, agilidade emocional, capacidade de delegar, comunicação, entre outras. Quando nos damos conta disso, isso é assustador. Quando NÃO nos damos conta disso... isso é um desastre.

Portanto, se tem uma mensagem que na minha opinião precisa ficar registrada nessa reflexão sobre liderança é de como funciona o Ciclo de Aprendizagem e qual a sua relação com a Hierarquia de Competências. Essa relação serve tanto para o líder perceber que precisa desenvolver um novo leque de habilidades, quanto como uma ferramenta guia para que o líder desenvolva competências que precisa ter em seu time e liderados.

Ciclo de Aprendizagem:

  1. Em um primeiro momento não nos damos conta de que há algo que não sabemos. Pior, nem sabemos que não sabemos e, portanto, isso nos leva a intuir de forma equivocada. Esse estágio é denominado de “Incompetência Inconsciente.”
  2. Quando finalmente percebemos que algo está faltando (ou recebemos um feedback que nos “acorda”), passamos a um estágio de “Incompetência Consciente.” Sabemos que não sabemos. Já entendemos o que falta, mas sem o conhecimento adequado fazemos análises racionais erradas. Porém, isso nos dá a motivação para aprender.
  3. Com algum esforço e treinamento passamos ao estágio chamado “Competência Consciente,” onde sabemos que sabemos, e nossas análises racionais se tornam assertivas..., mas com 95% de nossas decisões sendo tomadas deforma inconsciente isso está longe do suficiente.
  4. O último estágio é então referido como “Competência Inconsciente,” onde através do desenvolvimento contínuo ficamos tão confortáveis com a nova competência, que não precisamos nem saber que sabemos, fazemos por hábito e, portanto, chegamos ao estágio onde é possível ter a intuição correta.

“Até você se tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida e você vai chamá-lo de destino.” – Carl Gustav Jung (obrigado a Paula Tissot pela excelente reflexão!)

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você