[ editar artigo]

O Tabu do Marketing Digital

O Tabu do Marketing Digital

Vivo em uma cidade do interior do Mato Grosso do Sul, próximo às fronteiras com estado do Paraná e com  o Paraguai. Me mudei para cá há mais de um ano por finalidades acadêmicas, estava concluindo o curso de medicina - coisa que ainda não cheguei a fazer -, na cidade paraguaia vizinha e devido à crise provocada pela pandemia do Covid-19, me vi obrigado a dar prioridade às atividades profissionais em lugar das acadêmicas.

Tenho uma família de 5 membros - 3 deles com menos de 9 anos - para conduzir e graças a Deus a minha esposa é uma mulher espetacular que sempre me deu o apoio e suporte necessário.

Antes de eu me aventurar na carreira médica no Paraguai, morávamos em Confresa-MT (1100 Km de Cuiabá) e trabalhávamos na Rádio FM da Associção Cultural Municipal. Pode-se dizer que atuávamos na área de Publicidade/Marketing da empresa, haja visto que, também, vendíamos anúncios e programas a serem reproduzidos na grade de programação da emissora.

Planejávamos, organizávamos e executávamos os eventos  sociais que  a Associação levava a cabo, e isso nos aproximou bastante do comércio local naquela ocasião. Pudemos ver bem de perto o impacto positivo que a comunidade comercial pode causar em certos problemas crônicos - como educação, lazer e cultura - que um município pode ter em relação a algumas  garantias que ele "supostamente" tem para com a sua população. Como eu disse, já se passaram 7 anos desde então.

Então, quando percebemos que a prioridade não seria mais, pelo menos, momentaneamente, os estudos mas sim, uma forma de garantir a nossa renda familiar. Decidimos tentar fazer o que já tínhamos feito antes, vender publicidade ao comércio local e tentar fazer algo de bom para nossa sociedade durante o processo.

Nossa primeira ideia que pareceu brilhante, diga-se de passagem, foi a de produzir um informativo semanal em tamanho A4 e em formato de folder de 2 dobras, o interior seria preenchido com notícias e informações pertinentes à realidade majoritariamente agrícola e comercial varejista da cidade. Não que tivesse sido uma ideia ruim, mas os custos com a impressão não permitiram que insistíssemos nela.

Foi um estalo que senti quando assisti um vídeo no YouTube sobre Marketing Digital, dizendo das oportunidades com a gestão de tráfego, estratégias de e-mail marketing, criação de sites, páginas e aplicativos. Por ter tido contato com computador desde a segunda metade da década de 90, sempre tive muita desenvoltura com este equipamento e boa parte do universo que paira ao redor dele. Lógico que não estou dizendo que sei de tudo - que idiota diria isso né? -, apenas que tenho uma facilidade muito grande em aprender certas coisas.

De Agosto 2020 até hoje - estamos no início de maio quando escrevo este depoimento-, eu já realizei o modesto número de 18 cursos de desenvolvimento pessoal para a área de Marketing Digital. Então decidi que já possuía uma quantidade de conhecimento que justificaria a tentativa de vender os meus serviços nesta área.

Fazem uns 35 dias, desde quando registramos nossa pessoa jurídica e começamos a andar pelas ruas da cidade que moramos oferecendo desde a criação e manutenção de páginas comerciais nas mídias sociais, ao desenvolvimento de APPs de controle de estoque, delivery, agendamento de atendimentos e consultas entre outros. E nosso número de vendas dentro da cidade ainda é zero.

Por sorte, através de mecanismos de impulsionamento consegui neste mesmo período 1 cliente de São Paulo e outro, acreditem se quiser, de Viana do castelo, uma cidadezinha no litoral de Portugal. Isso mesmo, fiz uma venda internacional antes de conseguir um cliente na cidade onde moro. 

Hoje, 04/05/21 me encontrei com  o proprietário da agência de turismo local e desabafei o quão difícil estava para mim, com 3 filhos pequenos e com uma perspectiva não muito agradável para o meu ramo de negócio. Ainda cheguei a associar o meu insucesso inicial com o fato  de haverem outras duas empresas oferecendo serviços muito similares aos meus e de seus proprietários serem moradores locais, com uma visibilidade comercial muito maior do que a minha.

O empresário então me explicou que estas empresas não prestavam muitos serviços na cidade também, apenas de produção gráfica e arte final. Ele disse ter propriedade para me dizer aquilo pois era, até bem recentemente, o Presidente da Associação Comercial Municipal e que o motivo da recusa dos empreendedores locais em relação ao Marketing Digital residia principalmente nos preços praticados pelas agências.

Tivemos uma ótima conversa, mesmo que não tendo culminado em uma venda - como eu queria é claro-, eu sai com um belo orçamento para fazer e uma excelente ideia. Vou buscar a Associação, adquirir a membresia da minha empresa e prestar o serviço de gestão de tráfego e suporte técnico aos associados. Por um preço que podemos chamar de justo. Tanto terei a oportunidade de prestar os meus serviços, quanto os comerciantes terão condições de pagar por eles.

Alguns podem se opor e chamar isto de um ato que desvalorize a classe, eu respeito a opinião, mas acredito que se existe algo que jamais deve ser desrespeitado é a dignidade de um(a) chefe de família sustentar o seu lar.

Espero trazer um bom desfecho para esta história. Obrigado por sua atenção!

Marketing Digital

Comunidade Sebrae
Arnon Junior Moreira dos Santos
Arnon Junior Moreira dos Santos Seguir

Sou profissional autônomo do ramo de design, arte final, edição de áudio e vídeo e recentemente involucrado em desenvolvimento de aplicativos.

Ler conteúdo completo
Indicados para você