[ editar artigo]

Comunicação em tempos de distanciamento social... Como lidar com isso?

Comunicação em tempos de distanciamento social... Como lidar com isso?

Nossos últimos meses têm sido marcados pelo distanciamento social necessário para contribuir na diminuição da propagação do coronavírus, e para que nossos compromissos pudessem ser cumpridos nos valemos com muito mais intensidade da tecnologia: usamos mensageiros instantâneos, redes sociais e videoconferências entre as diversas outras ferramentas disponíveis para que possamos nos comunicar com outras pessoas.

É aí que vem a pergunta: Como está a minha comunicação marcada pelo distanciamento social?

Para começar, não podemos esquecer que o processo de comunicação é muito mais complexo do que se imagina, são diversas as variáveis envolvidas: o conteúdo da conversa; a forma como escrevo ou falo; tom de voz e sua respectiva impostação e entonação; sem falar da linguagem não verbal que é responsável por boa parte do processo comunicativo (parte que fica prejudicada quando usamos ferramentas digitais). A mim faz falta o contato humano e sinto por conta disso que a comunicação ficar mais complexa. Não se esqueça que nos comunicamos mesmo sem sequer emitir uma única palavra!

Não fosse o bastante, junta-se a todas essas variáveis os modismos linguísticos que acabamos expostos de tempos em tempos, o famoso “a nível de”, o outro (oriundo do telemarketing americano que foi abrasileirado) o gerundismo, quem nunca ouviu “vou estar transferindo sua ligação” ou “vou estar verificando sua solicitação”, onde um apenas “vou transferir” ou “vou verificar” bastava. Mais recentemente ouvi de algumas pessoas “aquela equipe está performando bem”, e por aí vai...

         Outro termo que tem se tornado figurinha carimbada nas conversas é a “assertividade”, e esse em particular me chama muito a atenção, não raro escuto por aí nas rodas de conversa que acompanho pessoas utilizando a “assertividade” como sinônimo de “acerto”, talvez você já tenha ouvido: “fulano de tal foi assertivo e completou a tarefa sem nenhum erro”, veja que o radical das palavras é diferente, o verbo acertar se escreve com “c”, muito diferente de “assertividade”.

         E já que nosso assunto é comunicação em tempos de distanciamento social, quero esclarecer por que a conversa rumou para a assertividade, é, essa mesma tem uma relação direta com o processo de comunicação (não com acerto, certo?). Quando nos comunicamos temos quatro posturas básicas que podem ser adotadas: passiva; passivo-agressiva; agressiva e assertiva.

         Quero me ater apenas à assertiva que em poucas palavras pode ser descrita como “a habilidade de dizer aquilo que precisa ser dito, o qual importa muito mais a forma como se diz do que o conteúdo dito”.

A comunicação assertiva implica na atenção à fala e aos gestos, em ter embasamento sobre o assunto, falar de acontecimentos e não de pessoas, usar a inteligência emocional e o respeito a seu favor. Em situações de estresse para manter a postura assertiva, procure entender o outro, busque ouvir a essência da mensagem, cuide do momento já que muitas vezes é necessário parar um pouco para refletir sobre o que aconteceu antes de dar andamento em uma conversa, não há nada de errado em pedir um espaço para pensar e retomar a conversa em um momento mais adequado.

Por fim não esqueça que o contexto e circunstância a que estamos expostos por conta das questões sanitárias têm contribuído para que muitos de nós não consigamos acessar o melhor que existe dentro de si mesmo!

Para contribuir com a reflexão de como anda sua comunicação que tal um pouco de poesia? Me refiro a uma canção da música brasileira: “Paciência” que na voz de Lenine diz:

“E o mundo vai girando cada vez mais veloz

A gente espera do mundo e o mundo espera de nós

Um pouco mais de paciência”

https://www.youtube.com/watch?v=SWm1uvCRfvA

Varejo 🎁

Comunidade Sebrae
Edson Boles Batista
Edson Boles Batista Seguir

Bacharel em Ciências Contábeis pela UNIOESTE, Especialista em Docência, MBA's em Gestão Empresarial e Gestão de Recursos Humanos, Formação em Análise Transacional pela UNAT - Brasil, Coaching Executivo Empresarial pela ABRACEM.

Ler conteúdo completo
Indicados para você