[ editar artigo]

Investidores e empreendedores: O capital que o ecossistema precisa

Investidores e empreendedores: O capital que o ecossistema precisa

 

Capital Empreendedor

Quando se trata do desenvolvimento de inovações, é senso comum que os riscos envolvidos são superiores ao dos empreendimentos tradicionais. 
O SEBRAE/PR promove a inovação por intermédio de ecossistema de empreendedorismo inovador nas diversas regiões do Paraná. 
Identificar e formar o capital inovador local é tarefa de grande relevância para o ecossistema. Todos os atores do ecossistema de inovação têm sua importância, mas, sobretudo, ter investidores preparados para, a rigor, investirem em empresas do setor/segmento de mercado em que tenham experiências, fará com que o ecossistema possa assinalar com mais consolidação e confiança, o apoio ao empreendedor, pautado numa boa tese de investimento.
O conceito é amplo, pois busca-se preparar empreendedores que desejam captar investidores, por outro lado, prepara também investidores que buscam aplicar seu capital financeiro e sua experiência, em negócios promissores para torna-los ainda mais eficientes. 
Essa modalidade de preparação de investidores para investir e empreendedores para serem investidos é o que chamamos de Capital Empreendedor. 

Investidor 

Representado por empresas, profissionais liberais e pessoas físicas que tenham a capacidade de aportar recursos em negócios para consolidar sua inovação.
O risco que envolve o mundo dos negócios inovadores é inversamente proporcional ao estágio em que se encontra a empresa. Quanto mais no início de uma startup, maior é o risco e tempo de retorno do investimento. Porém, caso o projeto obtenha êxito, maior será o retorno.
No mundo das Startups, como dito no início deste artigo, envolve muito risco, por isso se negligenciam o fato de que muitas Startups iniciam suas atividades sem um “sócio investidor” ou aporte de fundos de investimento e, que apesar disso, conseguem progredir, mesmo que de forma não tão acelerada, mas podem sobreviver neste cenário.
Existem algumas modalidades de investimentos tradicionalmente conhecidas, o Bootstrapping (Capital Próprio), Aceleradora, Investimento Anjo, Seed (Investimento Semente ou Capital Semente), Plataformas de Investimento e Fundos de Investimento. 


Bootstrapping – Capital próprio também é uma forma de investimento nas empresas emergentes, significa o ato de iniciar uma empresa sem investimento externo, usando somente os seus próprios recursos e preferencialmente pouco dinheiro. 

Aceleradora - São um tipo moderno de incubadoras de empresas. Investir dinheiro via aceleradora é uma oportunidade para pessoas físicas que desejam iniciar no mundo do capital de risco com negócios inovadores.
Investimento Anjo - Também é uma oportunidade para pessoas físicas. As startups que você irá acessar nesta modalidade estão em fase inicial e, portanto, oferecem alto risco de investimento.

Investimento Semente ou Seed – Trata-se aqui da primeira faixa ou camada de investimento acima do Investidor Anjo, também chamado de Venture Capital, indo normalmente de R$ 500 mil a R$ 2 milhões no Brasil. No mundo das Startups, cada aporte de capital semente ou Venture Capital é celebrado como uma vitória.

Plataforma de Investimentos - Uma nova modalidade no Brasil, que tem se tornado atrativa aos novos investidores (pessoas físicas). São plataformas digitais para investir em startups com produtos já validados no mercado e começando a decolar.

Fundo de Investimento – Refere-se à primeira rodada de investimentos feita junto à fundos de Venture Capital. São rodadas de investimentos institucionais junto à investidores profissionais.

Para evitar confusão na hora de buscar um investimento, é importante o empreendedor realizar uma pesquisa básica sobre o que faz o fundo e em que tipo de empresa investe. Não é apenas o fundo que deve escolher os empreendedores, essa é uma via de mão dupla, os empreendedores precisam também conhecer o histórico dos fundos com os quais desejam iniciar uma parceria.

Empreendedor inovador  

No mundo todo, o movimento de empresas inovadoras, bem como as Startups se espalham em diversos continentes, a maioria delas usam um conceito estratégico denominado Lean Startup, introduzido pelo norte-americano Eric Ries, em 2010. 
Este conceito de Startups enxuta, leva em consideração o processo de desenvolvimento de produtos e de clientes, por meio de protótipos a serem validados. O que passa a ser um contraponto aos modelos que se ocupam de longos ciclos de planejamento e execução. É comum empreendedores buscarem fundos de investimento, muitas vezes sem saber o porquê estão indo atrás deste ou daquele fundo.
Se você, tem o perfil de investidor e tem interesse em entrar neste mundo de investimento, ou é empreendedor possui uma startup ou uma empresa inovadora, uma boa maneira de começar é experimentando a nossa programação do Capital Empreendedor. 

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você