[ editar artigo]

O varejo que existe além dos shoppings e do e-comerce!

O varejo que existe além dos shoppings e do e-comerce!

Por esse gigantesco Brasil afora, onde o comércio varejista é uma das principais âncoras na sustentabilidade econômica, geração de emprego e renda, resiste um comércio fortemente realizado por esses vendedores que lembram os antigos mascates. Em algumas regiões também chamados de galegos... 

O sorridente cidadão da foto é o Naldo e eu o conheci em Tomé-Açu/PA, em viagem que fiz para ministrar palestra para varejistas, prestadores de serviços, MEI, EPP e convidados especiais do Sebrae e CDL local.

O Naldo atende, ao longo do ano, aproximadamente 10 cidades paraenses e chega a andar mais se 10 km por dia puxando esse "carrinho" com mais de 30 itens de utensílios e não é o dono do "carrinho", vive de comissão sobre as vendas que realiza.

Se eu não andar "dotô", a venda não acontece e o feijão dos meninos não pode faltar né? Então é coragem no corpo, alegria no rosto e chinela no chão...

Quando me aproximei para conversar ele foi logo perguntando: dotô, o senhor não é da... não né? (e falou o nome de uma gigantesca empresa brasileira que atua através do MMN - Marketing Multi Nível). Porque eles me veem aqui na batalha e querem logo me cadastrar. Mas desse negócio deles aí eu tô é fora dotô, eu quero é distância!

Achei graça da pergunta e comentário, mas estava mais interessado nele e no seu trabalho de vendas e abordagem...

Naldo, com tantas lojas nas cidades e as facilidades do comércio eletrônico, ainda existe espaço para esse modelo de negócio? Perguntei.

Dotô, presta só atenção que vou fazer uma venda é jazim! Acontece que a loja e a internet não "sai do lugar" e eu chego no cliente na hora da oportunidade...

Metros depois, a senhora que aparece na foto comprou uma cadeirinha de plástico!

O Naldo com sua simplicidade e determinação, já percebeu e pratica o que muitos varejistas estabelecidos, com estrutura e verba para investimentos em marketing, RH e inovação ainda estão engatinhando: o varejo que vai resistir aos novos tempos terá que sair detrás do balcão e ir ao encontro do cliente.

Pelos grotões desse imenso país, por óbvio que as pessoas compram pela internet, mas quem garante o fornecimento de roupas, perfumes, utensílios, eletros etc, são os varejistas locais. Empresas que compreendem e atendem os desejos dos clientes ali, no pé do balcão.

Compreender os caminhos e tendências do varejo é fundamental para analisar e entender para onde estamos indo: tecnologia de ponta, novos formatos de pagamento, robotização, produtos inovadores, gestão de custo, gestão de pessoas, mas na hora na verdade, da experiência do cliente, lá onde o facho de luz das pesquisas não chega e nem os estrategistas querem ir, gente como o Naldo ainda faz a diferença.

O Naldo merece o meu respeito!

Varejo 🎁

Comunidade Sebrae
Nelson Gonçalves
Nelson Gonçalves Seguir

Treinador de equipes de alta performance, transformador comportamental, pesquisador do varejo e pequenos negócios. Vendedor, ator, jornalista e publicitário pós graduado em mkt e especialista em atendimento. Palestras: Vendas, atendimento e liderança

Ler conteúdo completo
Indicados para você