[ editar artigo]

Tendências para o Varejo em 2021

Tendências para o Varejo em 2021

A pandemia de covid-19 pegou o mundo de surpresa em 2020, e é seguro supor que muito esforço e energia serão dedicados em 2021 para reverter as consequências da pandemia (ou, dependendo do caso, se adaptar a elas).

No caso do Varejo, as maiores dificuldades vieram do isolamento social, com o fechamento temporário de shoppings e lojas físicas. Muitas empresas tiveram que apostar no e-commerce e no marketing digital para sobreviver, e é provável que mantenham essas apostas no próximo ano. Por outro lado, certamente vai haver esforço para atrair novamente os clientes para lojas físicas – com responsabilidade, é claro.

Confira nossas previsões a seguir.

A ascensão turbinada do e-commerce

Quem já tinha o hábito de fazer suas compras pela internet passou a comprar mais ainda quando não podia sair de casa, e quem só ia à loja física se viu obrigado (pelo menos nos períodos mais intensos de isolamento social) a dar uma chance ao e-commerce. O que era uma tendência virou quase uma obrigação.

Nesse cenário, varejistas que conseguiram fortalecer sua presença digital e vender online (seja com site ou aplicativo próprio, seja em marketplaces) passaram menos aperto do que aqueles que continuaram presos às vendas 100% presenciais. Mesmo com a pandemia perdendo força, a mudança no hábito de muitos consumidores deve continuar, e o e-commerce seguirá se fortalecendo em 2021.

Conveniência autônoma

Lojas de conveniência autônomas são uma novidade que começou a ganhar presença no Brasil em 2020, e já estão mais consolidadas nos Estados Unidos e em alguns países da Europa. Nessa modalidade, os clientes não têm contato com funcionários: "acessam" o estabelecimento por meio de aplicativo, escolhem os produtos e pagam online.

São uma solução versátil, e as "lojas" podem ficar dentro de uma empresa ou no pátio de um condomínio, por exemplo. Há empresas especializadas em implementar esse tipo de loja, e a tendência é que o mercado se expanda no próximo ano.

Beleza e saúde em alta

Sem poder sair, muitas pessoas passaram a fazer em casa procedimentos que antes só faziam no salão, e certos cuidados com pele, unha, cabelos etc. entraram para a rotina em casa. Produtos especiais para isso tiveram uma alta de vendas em 2020, e mesmo com a reabertura de salões e a diminuição do isolamento social, as rotinas mais completas de autocuidado provavelmente devem sobreviver.

2021 também será um ano em que muitos consumidores vão dar preferência a produtos mais saudáveis e tentar perder o peso extra que ganharam na pandemia – seja por conta do sedentarismo, de não poder ir à academia por meses ou de comer por ansiedade.

Marketing sensorial: de volta às lojas físicas

Mesmo com o crescimento do e-commerce, é claro que as lojas físicas não vão desaparecer, e devem pouco a pouco se recuperar conforme as medidas de isolamento ficam mais brandas.

Tendo isso em mente, e considerando toda a carga de ansiedade que a pandemia colocou sobre os consumidores, muitos lojistas devem apostar em marketing sensorial (cores, músicas, perfumes etc.) que leve as pessoas a se sentir à vontade em seus estabelecimentos. Os cuidados com higiene e saúde não devem ser deixados de lado, porém.

O que achou do conteúdo? Tem alguma previsão para o Varejo em 2021? Deixe seu comentário!

Varejo 🎁

Comunidade Sebrae
Lucas Hahn
Lucas Hahn Seguir

Coordenador Estadual de Varejo e Mercado do SEBRAE/PR.

Ler conteúdo completo
Indicados para você