[ editar artigo]

Como o MEI pode definir preços do seu serviço?

Como o MEI pode definir preços do seu serviço?

Uma das variáveis mais importantes de uma empresa é a precificação de produtos e serviços. Porém, muitos Microempreendedores Individuais (MEIs) têm dúvidas ao definir o preço de seus serviços. Encontrar o equilíbrio entre a competitividade e a lucratividade é fundamental para conquistar espaço no mercado.

A precificação é influenciada por fatores internos (qualidade, despesas, custos fixos e variáveis do negócio) e por fatores externos (cenário econômico, restrições legais, concorrência etc).

A definição de preço a partir dos custos ou da concorrência é bastante utilizada. Porém, essa realidade está mudando, uma vez que há uma tendência em precificar os serviços com base no valor percebido pelos consumidores. Esse valor está ligado às necessidades que são atendidas. Para isso, é preciso descobrir o valor que os clientes reconhecem em seus produtos e serviços. Para marcas que ainda estão começando a dar seus primeiros passos e que ainda não têm esse valor reconhecido, a precificação pode ser baseada em seu custo.

Diferenças entre custos fixos, variáveis e despesas

Conhecer a diferença entre custos fixos, variáveis e despesas é o primeiro passo para estipular os preços. Os custos fixos são aqueles que não variam conforme a alteração na produção. Eles se mantêm estáveis independentemente do volume produzido pela empresa. Já os custos variáveis têm flutuações de acordo com as mudanças de volume. Eles aumentam à medida que a produção de produtos e serviços é ampliada. Finalmente, as despesas são os valores investidos nas estruturas comercial e administrativa do seu empreendimento. 

Na hora da precificação, é preciso ter em mente que o valor da venda deve cobrir o custo direto dos produtos e serviços e das despesas, permitindo o lucro líquido adequado.

A análise do público-alvo também deve ser levada em consideração na hora de estabelecer o preço. Você não pode colocar uma margem de lucro muito alta, caso o seu público tenha menor poder aquisitivo. Em casos de preços abaixo de mercado, é preciso verificar se o volume de vendas é capaz de compensar a baixa margem de lucro.

Outro fator a ser levado em conta na precificação é o custo por produto. Isso significa que você deve acrescentar todas as despesas envolvidas na aquisição ou confecção de determinada mercadoria. Por exemplo, o fornecedor vende o vestido a R$50,00 e o frete custou R$10,00. Ou seja, o custo do produto ficou R$60,00. Todas as despesas extras devem estar incluídas quando o preço do produto for definido.

Além do custo por produto, as despesas fixas também devem entrar nesse cálculo, como o valor do aluguel, contas de água, luz, telefone, gastos com funcionários etc. Para adicionar as despesas fixas no seu cálculo, é preciso somar o total obtido com as vendas no último ano, dividir o total de despesas pelas vendas e multiplicar por 100. O resultado é a porcentagem que cada venda deve contribuir para que as despesas fixas sejam abatidas. Na prática, o cálculo funciona da seguinte forma: no último ano, suas despesas fixas foram R$5  mil e você obteve R$ 30 mil em vendas. Logo, a contribuição de cada venda deve ser de 16,6%.

Fatores que influenciam a precificação

Para definir o preço do seu produto ou serviço, é preciso considerar o aspecto mercadológico (externo) e o financeiro (interno).

De acordo com o aspecto mercadológico, o preço de venda deve estar próximo ao valor praticado pelos concorrentes diretos, desde que o produto esteja na mesma categoria e possua a mesma qualidade. Fatores externos, como o tempo de mercado, reconhecimento da marca e volume de vendas exercem influência direta sobre o valor do produto. Já no aspecto financeiro, o preço de venda deve cobrir todos os custos diretos dos produtos e serviços, ou seja, as despesas. O lucro líquido será o saldo restante.

Porém, o empreendedor deve procurar um equilíbrio na hora de precificar seus produtos e serviços. Se o preço de mercado for menor que o encontrado a partir dos custos internos do empreendimento, é preciso refazer os cálculos financeiros a fim de avaliar a viabilidade de tal prática. Ou seja, para equilibrar o preço de venda, as despesas fixas e os custos diretos devem ser diminuídos.

Além disso, o MEI deve começar a planejar a precificação a médio prazo, uma vez que ele pode mudar de categoria e passar a pagar mais impostos. Por isso, também é necessário considerar os ajustes de precificação. Nesse caso, é ideal que o empreendedor faça um planejamento que preveja os custos futuros para que seja possível traçar estratégias que equilibrem o fluxo de caixa sem comprometer a sua competitividade.

Comunidade Sebrae
Ler matéria completa
Indicados para você