[ editar artigo]

Habilidades socioemocionais, o pulo do gato!

Habilidades socioemocionais, o pulo do gato!

Você concorda que empreender não é para qualquer um?

No entanto, essa atividade vem ganhando cada vez mais destaque nos últimos anos. Existem muitas empresas novas no mercado e consequentemente diferentes perfis de empreendedores, com características muito distintas, mas na grande maioria das vezes com o mesmo propósito – ter sucesso com as suas empresas.

Mas empreender está longe de apenas colocar ideias em prática, é preciso desenvolver habilidades não só técnicas (hard skills), mas também habilidades socioemocionais (soft skills). Os soft skills são aptidões relacionadas ao comportamento profissional.

É possível incluir nessa lista de características essenciais para o perfil do novo empreendedor habilidades como: pensamento crítico, resolução de problemas complexos, criatividade, gerenciar pessoas e trabalho em equipe.

Mas como desenvolver essas habilidades?

Esse assunto foi abordado em uma palestra com os empreendedores do Vale do Pinhão (ecossistema de inovação de Curitiba) através de uma parceria entre o Sebrae e a Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação.

São dez habilidades fundamentais para o perfil do novo empreendedor e nesse post serão abordadas as cinco primeiras.

Vamos lá?
 

  1. Pensamento crítico: é a capacidade que nós temos de decompor os problemas, de fracioná-los, a partir disso, é preciso analisar, interpretar e avaliar cada “parte” do problema para só então partir para a ação. Quando partimos diretamente para a resolução, corremos o risco de “trocar os pés pelas mãos” e isso pode nos atrapalhar. É preciso definir prioridades em relação aos problemas. Quais são as situações que merecem uma ação imediata? Quais são as situações que merecem uma ação preventiva? E quais são as ações que não precisam necessariamente que seja feito algo de forma imediata? Quando conseguimos fazer essa separação conseguimos direcionar a nossa energia para aquilo que realmente importa.
  2. Resolução de problemas complexos: A partir do momento que desenvolvemos o pensamento crítico nos tornamos mais aptos a resolver os problemas complexos que aparecem todos os dias, pois a nossa capacidade de resolução está sendo treinada constantemente. Você já estudou, trabalhou, teve que ter tempo para família, para o(a) “crush” (palavra da moda) e para o lazer? Quer problema mais complexo que esse? Nesse momento desenvolvemos a habilidade de resolver problemas complexos de forma genuína.
  3. Criatividade: a criatividade é uma habilidade que pode ser treinada e abastece com ideias as duas primeiras habilidades. Com o passar do tempo vamos perdendo a nossa capacidade criativa, deixamos de ser inovadores, mas continuamos sendo cobrados por isso constantemente. Inovação durante muito tempo foi como borrifar água nas folhas de uma planta, quando na verdade precisamos molhar a raíz. E nesse caso a raíz é a nossa criatividade. Precisamos resgatar a nossa confiança criativa! Para isso, precisamos criar repertório, adquirir conhecimento, nos permitir trocar experiências com outras pessoas, praticar a escuta-ativa e desenvolver um olhar mais empático.
  4. Gerenciar pessoas: essa habilidade está diretamente ligada a influenciar pessoas, ser referência, praticar a reciprocidade. Você está satisfeito com que está recebendo das pessoas ao seu redor? Não! É o momento de parar e refletir sobra o que você está oferecendo a elas.
  5. Trabalho em equipe: essa é a última habilidade, mas não menos importante! Trabalhar em equipe está relacionado a sintonia, sinergia e simpatia. Ter sintonia é fazer com que todos os integrantes saibam exatamente onde precisam chegar, quais as metas que precisam ser cumpridas para alcançar os objetivos. A sinergia é a união de forças para que isso aconteça e a simpatia é o sentimento de respeito mutuo, de admiração entre as pessoas da equipe.

Essas habilidades não são imutáveis! Devemos estar em um constante processo evolutivo, o aprendizado deve ser contínuo e praticar o autoconhecimento também. Olhar para dentro e se questionar: quais habilidades que eu tenho que precisa demonstrar com mais ênfase? Quais são aquelas habilidades que preciso aperfeiçoar? Quais são as habilidades que eu não tenho, mas seria importante que tivesse?

O escritor indiano chamado Vijay Govindarajan desenvolveu a estratégia das três caixas que também pode ser muito útil.

Vamos colocar em prática essa estratégia mesmo que seja mentalmente?

Pense em três caixas, na primeira coloque o que precisa ser feito agora para você sair da zona de conforto. Na segunda, coloque crenças limitantes que atrapalham o seu crescimento ou o crescimento da sua empresa e na terceira e última, coloque o que projeta para o futuro .

A partir de agora defina ações para cada uma das caixas. Essa estratégia nos ajuda a desenvolver muitas outras habilidades do que essas mencionadas neste post.

Bom trabalho, boa reflexão e ótima evolução.

Vida de MEI

Comunidade Sebrae
Diogo Macenhan
Diogo Macenhan Seguir

Administrador, pós-graduado em Gestão de Pessoas com Coaching, consultor de negócios, especialista em MEG - Modelo de Excelência em Gestão, planejamento estratégico, inovação e metodologias ágeis. Palestrante e professor apaixonado.

Ler conteúdo completo
Indicados para você