[ editar artigo]

[ Conteúdo com vídeo] Motivações para o MEI: Oportunidades e Necessidades

[ Conteúdo com vídeo] Motivações para o MEI: Oportunidades e Necessidades

Depois de aproveitar as festas de final de ano, chega aquele momento de reflexão e de desenhar os projetos para o ano que inicia. Muitas pessoas pensam em colocar em prática o sonho de empreender e ser dono do seu próprio negócio, mas poucos sabem que dar o primeiro passo é simples, seja por desejo ou por necessidade, mas requer planejamento.

Como já divulgamos aqui na Comunidade Sebrae, até a metade do ano passado, cerca de 8,4 milhões de pessoas estavam registradas como MEI’s (Microempreendedores Individuais), formalizando os processos de trabalhos dos profissionais autônomos e pequenos empresários em cerca de 500 atividades permitidas para cadastramento. Além disso, são 16 atividades diferentes concedidas no cadastramento do CNPJ MEI, uma como atividade principal e outras 15 atividades secundárias. 

 

Por isso, para aquele perfil de profissional que deseja empreender, o número de atividades e de cadastramentos são com certeza um fator motivador para dar o primeiro passo na abertura da sua empresa, sem contar com a facilidade de abertura. Para isso, o profissional deve consultar o portal do empreendedor e seguir as orientações indicadas no site.

Entretanto, hoje iremos falar sobre as motivações do MEI para empreender: necessidade ou oportunidade.

É interessante ressaltar que ⅓ dos MEI’s estavam na informalidade antes de empreender. Mais de 33% dos MEI’s afirma que empreenderam porque precisavam de uma fonte de renda e 32% deles dizem empreender para ser independente. Esses números mostram que a necessidade de empreender para fugir do desemprego - que ainda assola 11,9 milhões de brasileiros segundo o IBGE,- é tão significativa no Brasil quanto à vontade de abrir seu negócio.   

Por isso, a liberdade está entre os principais motivos que induzem as pessoas a buscar no empreendedorismo seu modo de ganhar a vida tanto quanto a necessidade de pagar as contas. 

Para conhecer mais sobre empreendedorismo por oportunidade ou necessidade, me acompanhe nesse conteúdo.

Empreendedor por necessidade

Desde 2016, quando a crise econômica atingiu 13 milhões de brasileiros desempregados, muitos apelaram para o trabalho informal para sustentar suas famílias. Desses brasileiros, uma grande parcela abriu seu CNPJ MEI, motivada pelas vantagens previdenciárias do sistema, por ampliar a renda familiar e mesmo para apressar a recolocação no mercado de trabalho. 

Empreender é uma alternativa para obtenção de renda, mas na ausência de uma fonte, a pressa da abertura acaba não sendo uma escolha. Essa é realmente a realidade que força muitos profissionais a formaliza-se. Há também aqueles profissionais artesãos que encontraram na formalização uma forma de melhorar as condições de compra de matéria-prima, e também uma alternativa para mães que desejavam criar seus filhos em casa enquanto elas podiam trabalhar e ajudar nas despesas, mantendo condições profissionais muito parecidas com a forma CLT.  

No formato do empreendedorismo por necessidade, os processos de criação e maturação da empresa, bem como pesquisa de mercado, localização e estudo de público-alvo acabam sendo atropelados pelo tempo, que em vez de gradual, a implantação ocorre bem mais rapidamente e com menos estudos. A justificativa é simples: pagar as contas! É claro que o ideal é que o empreendedor consiga estruturar a empresa antes de operacionalizá-la, mas isso não é a realidade da grande maioria dos empreendedores por necessidade. A dica aqui é buscar ajuda profissional de consultores e especialistas para acompanhar alguns processos da empresa enquanto ela está rodando. Isso facilita a vida do empreendedor que precisa se ocupar no ofício da operação e na gestão empresarial. Nesse caso, a ajuda de fornecedores substitui a contratação de empregados na empresa, principalmente para o MEI, que normalmente trabalha sozinho e possui baixo fluxo financeiro. 

Uma pesquisa da Serasa apontou que em 2016, no pico na crise, cerca de 80% das empresas criadas no Brasil foram no formato MEI, enquanto que três anos antes esse índice era metade, o que mostra a necessidade de alternativas de renda para os profissionais.

Entretanto, mesmo com a urgência em fazer o negócio funcionar, o empreendedor pode optar por empresas pré-formatadas, como as microfranquias, ou mesmo atuar num segmento no qual tenha conhecimento e afinidade. Esse é sempre uma dica dos empreendedores de sucesso: fazer o que gosta não é apenas um clichê. É sim um segredo de sucesso. Afinal, empreender não é tarefa fácil, quanto mais em algo desconhecido num mercado estranho para o profissional. 

Empreendedor por Oportunidade

O primeiro emprego, o desgosto com o atual trabalho, a aposentadoria ou mesmo uma segunda fonte de renda podem ser os quesitos necessários para motivar o empreendedor por oportunidade. Nesse caso, buscar tendências, estudar cenários e fazer um plano de negócio é viável até mesmo em mercados inovadores para o empreendedor. Afinal, com mais tempo e informação, a chance de vida da empresa é maior, mesmo que o empreendedor não tenha experiência administrativa. 

Nesse segundo cenário, a observação, a curiosidade e a vontade de solucionar um problema da sociedade poderão ser propulsores para a criação de empresas inovadoras e de valor para a coletividade. Sendo assim, o empreendedor por oportunidade é aquele que abre um negócio observando uma demanda, que busca desbravar e replicar soluções.

Independente do empreendedor, dedicação e a busca constante por avaliações e melhorias estão entre as dicas que compilamos para se obter sucesso. Resiliência e confiança deve estar também na base de todos os processos de trabalho do empreendedor. 

 

Vida de MEI

Comunidade Sebrae
Ler conteúdo completo
Indicados para você