[ editar artigo]

O empreendedorismo das profundezas do Brasil

O empreendedorismo das profundezas do Brasil

Em minha pesquisa de pós-doutorado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul realizada entre os anos de 2017 e 2018, tive a intenção de investigar os Microempreendedores Individuais do Rio Grande do Sul e de Sergipe a partir de uma pesquisa qualitativa com inspiração etnográfica, mais especificamente os indivíduos que residiam no interior dos dois estados, então tive a oportunidade de conviver com mais de cinquenta jovens, perguntar o conceito de empreendedorismo e mais do que isso, de entender o que é ser empreendedor para jovens que moram longe das capitais.

No geral, o ato de empreender para esses jovens, antes de tudo é uma atitude de coragem ou de desespero, de coragem quando pensamos no número de microempreendedores com dívidas no Brasil e de desespero, pois empreender para esses jovens é muitas vezes a única alternativa viável para continuarem morando no interior do Brasil. 

Muitos se sentiam constrangidos ao afirmar que na verdade nunca pensaram muito na questão e que nem mesmo se consideram empreendedores, outros tinham dificuldade de explicar o que era empreendedorismo, mas achavam que empreendedor é aquele que cuida do seu próprio destino e um número reduzido de investigados, afirmou que empreender é uma forma de auxiliar no crescimento das suas cidades.

Em relação ao crescimento das cidades, em nossa pesquisa com inspiração etnográfica, entrevistamos mais de cinquenta atores fundamentais para o desenvolvimento econômico e social das cidades, tais como: Prefeitos, vice-prefeitos, secretários municipais, diretores de associações comerciais, universidades e de entidades que fomentam o empreendedorismo no Rio Grande do Sul e em Sergipe.

O resultado, foi bem desanimador, em geral todos reconhecem que não existe um planejamento mais eficiente para o desenvolvimento do empreendedorismo nas pequenas cidades do Brasil e naturalmente os jovens acabam migrando para cidades maiores e vivem de maneira precária com salários abaixo da realidade de mercado, por outro lado afirmam que os parcos recursos públicos não são suficientes para auxiliar os jovens empreendedores e que ficam presos a burocracia da esfera pública brasileira.

O empreendedorismo dos jovens em pequenas cidades, poderia ser uma alternativa fundamental para o desenvolvimento do interior brasileiro, mas ficou constatada em nossa observação, que embora algumas ações isoladas sejam realizadas.

No geral empreender nas profundezas do Brasil é mais um ato de desespero, do que de coragem.

 

Matheus Pereira Mattos Felizola

Consultor do SEBRAE Sergipe 

Pós-Doutor pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com apoio do CNPQ

Professor da Universidade Federal de Sergipe

Líder do Laboratório de Empreendedorismo e Inovação da UFS

www.matheusfelizola.com

 

 

Vida de MEI

Comunidade Sebrae
Matheus Felizola
Matheus Felizola Seguir

Consultor do SEBRAE-SE, Pós-doutor pela UFRGS e com doutorado na UFRN, professor da UFS da área de Empreendedorismo desde 2009. Passei por todos os estados do Brasil e 50 países em eventos, aulas, pesquisas científicas e de mercado e consultorias

Ler conteúdo completo
Indicados para você